por Ricardo Westin

Dormir pouco afeta crescimento infantil

Horas corretas de sono durante a noite são importantes para a criança porque afetam liberação do hormônio do crescimento

Especialistas dizem que crianças pequenas devem dormir entre as 19h30 e as 20h30; horas de sono variam conforme a idade

Crianças que seguem os horários dos adultos e dormem pouco correm o risco de ter sérios problemas de desenvolvimento, dizem especialistas. Isso ocorre porque o hormônio do crescimento é liberado nas fases mais profundas do sono.

“Quem tem sono ruim, na quantidade ou na qualidade, tende a ter déficit de crescimento”, diz o pneumologista Maurício da Cunha Bagnato, responsável pelo departamento de medicina do sono do hospital Sírio-Libanês. “Depois que se opera uma criança que dorme mal por causa das amígdalas, ela cresce muito rápido. É impressionante.”

As horas de sono necessárias variam conforme a idade. Um recém-nascido, que está com o sistema nervoso em amadurecimento, precisa dormir até 20 horas diárias. Uma criança de três anos deve dormir 10 ou 11 horas durante a noite e tirar uma soneca no dia.

E não basta dormir o número de horas indicado. Também é preciso ir para a cama na hora certa. O ideal, segundo o neurologista Israel Roitman, do hospital Albert Einstein, é que as crianças pequenas se deitem entre as 19h30 e as 20h30.

Roitman explica que certos hormônios só são liberados adequadamente no organismo quando se está acordado durante o dia e se dorme durante a noite. “Há crianças que ficam acordadas até a meia-noite. Isso é um absurdo”, diz ele. Evidências científicas ligam a falta de sono, ao menos em adultos, a um maior risco de obesidade, diabete, doenças cardiovasculares e infecções.

A maneira mais fácil de perceber se a criança está dormindo pouco é observar como ela acorda. Cansada, ela reluta a sair da cama. “Na primeira oportunidade que tem, ela encosta e dorme. Isso ocorre muito no trajeto da casa à escola, dentro do carro”, explica o médico Ricardo Halpern, da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Essas crianças podem ficar hiperativas e ter dificuldade de concentração. Também costumam ficar irritadiças e até agressivas. E, ao contrário do que ocorre com os adultos, tomar uma xícara de café não resolve o problema do sono.

“Dormir tarde cria outro problema para os pais, o da indisciplina. As crianças não gostam de dormir, porque é o fim da brincadeira. À noite, o problema de indisciplina é maior”, diz Paulo Afonso Ronca, doutor em psicologia educacional.

Além dos benefícios para a saúde, colocar o filho para dormir sempre na mesma hora é importante para o desenvolvimento psicológico da criança.”É importante que a criança saiba que num momento ela vai tomar banho, por exemplo, depois pôr o pijama, depois jantar, depois brincar, depois escovar os dentes e depois dormir. Quando sabe o que vai acontecer depois, ela ganha segurança”, explica a coordenadora pedagógica do colégio Santo Américo, Liamara Montagner. “É por isso que muitas crianças assistem ao mesmo desenho 20 vezes.”

O desejo de ficar mais tempo com os filhos é legítimo e necessário. “A primeira relação das crianças é com os pais. É dessa relação que vêm as identificações, o carinho, os limites”, diz Júnia de Vilhena, psicanalista e professora da PUC-Rio. “Os pais já delegam demais [para babás, avós, professores], não podem delegar tudo.”

Bons Sonhos

Rotina ajuda na hora de dormir, dizem especialistas

A criança deve dormir na mesma hora e ter seus “rituais” noturnos (uma ordem para tomar banho, vestir o pijama e escovar os dentes). A rotina ajuda a criar bons hábitos. Perto da hora de dormir, a família deve começar a apagar as luzes da casa e, se os pais forem ficar acordados, o volume da televisão deve ser baixado. Deve-se evitar atividade física antes de dormir, como brincar de luta, porque isso deixa a criança agitada. Especialistas também afirmam que refeições pesadas à noite devem ser evitadas.

Após noites maldormidas, estudantes precisam completar sono no colégio

Professores e diretores de escolas notam logo quando os pequenos estudantes dormem pouco em casa. “Eles chegam atrasados. Alguns entram na escola dormindo, no colo do pai. Em certos casos, precisam terminar o sono aqui. Isso está se tornando cada vez mais freqüente”, diz Liamara Montagner, coordenadora pedagógica do colégio Santo Américo.

Crianças com problemas de sono também ficam irritadiças e choram por qualquer coisa. “Temos até colchonetes para elas dormirem na escola, mas isso é ruim. Quando dormem, perdem a oportunidade de brincar com os amigos, fazer outras atividades”, afirma Paula Bacchi, orientadora do colégio Santa Maria. “O ideal é que durmam cedo e cheguem aqui dispostas para aproveitar o dia na escola.”

As duas educadoras afirmam que a rotina dos pais tem de ser adaptada à dos filhos, não o contrário. “Se está havendo prejuízo para a criança por ela dormir tarde, então que o adulto fique com o prejuízo”, afirma Liamara Montagner. “Se o casal decidiu ter filho, tem que saber que precisa fazer alguns sacrifícios”, acrescenta Paula Bacchi.

Para Júnia de Vilhena, psicanalista, terapeuta familiar e professora da PUC-Rio, os pais não devem fazer comparações nostálgicas com a época em que eles eram crianças e não havia essa necessidade de “esticar” o dia dos filhos, pelo fato de as mães não trabalharem fora e os pais chegarem mais cedo do trabalho.

“Não adianta querer pensar que antigamente era melhor. Foram as famílias antigas que geraram as neuroses atuais”, explica ela. “Cada tempo tem o seu problema. É preciso fazer ajustes e adaptações, senão você não vive.”


Folha de São Paulo – Cotidiano